Eu poderia falar o motivo de não estar postando muito ultimamente. Aquela costumeira falta de tempo, misturada com a procrastinação nossa de cada dia e mais algumas desculpas não necessariamente esfarrapadas. Mas eu sei que isso não te interessa muito.

Sendo assim, vamos ao que importa: nesse novo ano que surge [blá blá blá] vou tentar postar mais aqui no blog, principalmente, sobre redação publicitária. Também pode ser que amanhã ou depois eu volte a publicar crônicas, poesias, reflexões ou o que quer que seja. Mas, pelo menos por ora, vamos falar de textos em geral e dos publicitários em particular.

Espero que você não pare de ler o blog só por causa disso.

O texto de hoje é o do manual de instrução do novo notebook do Google. Se você não sabia que o Google agora está comercializando notebooks, não tem problema: agora sabe. O texto é um daqueles jobs que você morre de vontade de fazer, mas não faz por saber que, via de regra (toda regra tem exceções, já dizia o clichê), o cliente não aprova.

O manual é o da imagem abaixo, mas se você tiver com preguiça de ler numa língua que você não aprende na sala de casa, vendo castelo rátimbum, mais abaixo tem um pedaço do texto traduzido.

manual

NÃO ENTRE EM PÂNICO!

Leia esse papel. E então recicle. Ou faça dele um avião de papel super legal e dê para o seu sobrinho.

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

(O Blablablá de sempre… apenas mais divertido)

Esse produto contém componentes sensíveis. Não deixe cair, desmonte, abra, esmague, dobre, asse, deforme, perfure, coloque no blendtec (acho que nunca saberemos se ele conseguirá desmanchar), esfrangalhe, incinere, pinte, leve até a lua, ou insira objetos estranhos no dispositivo. Não derrame liquidos, pedras de qualquer tamanho ou comida no dispositivo. Não exponha o dispositivo à água, umidade ou rap.

Esse produto contém partes pequenas, que podem representar risco de asfixia para crianças pequenas, ou homens que não sejam emocionalmente maduros. Mantenha o dispositivo e os acessórios longe de crianças pequenas, independente do quanto elas queiram esmurrar o teclado. (…)

Coisa linda, né? Vi aqui.

Leia também: