Propaganda

Baixe Grátis ou Leia Online o Manual do Google para Editores da Web

Seja você um redator, um profissional de SEO, gerente de mídias sociais,  webmaster ou qualquer coisa do tipo, o Manual do Google para Editores da Web é indispensável para você.

Esse pequeno livreto de 24 páginas, em poucas palavras, explica como o Google indexa seu conteúdo – e como você pode se beneficiar disso para ter mais visibilidade.

Conselho de amigo: separe duas horas do seu dia para conferir o material. Você vai gostar. Satisfação garantida ou seu dinheiro de volta.

Ah, sim, e o material ainda é grátis.

MANUAL DO GOOGLE PARA EDITORES DA WEB.

CLIQUE PARA LER ONLINE OU BAIXAR GRATUITAMENTE.

 

 

Leia também:

Roteiro Publicitário – Como fazer, exemplos e modelos

Conhece o Consumidor Positivo?

Caso você esteja precisando de um redator para escrever um roteiro publicitário para sua empresa ou agência (e esteja com um pouco de pressa), ótimo: fale comigo.

Há alguns anos eu trabalho como redator publicitário e tenho experiência para escrever um roteiro sob medida para sua necessidade específica. Além disso, eu vou responder seu email em menos de 24 horas. Ou seja, daqui a pouco a gente tem um contato mais pessoal.

Agora, caso você queira saber como criar um bom roteiro publicitário, eu vou dar algumas dicas simples (e úteis) que adquiri ao longo de alguns anos de estudo, pesquisa, faculdade e experiência, criando roteiros publicitários para clientes dos mais diversos portes e segmentos. Espero que seja útil.

 

Como fazer um belo roteiro publicitário

 

A ideia:  95% do seu roteiro

Para fazer um bom roteiro, antes de qualquer coisa, você precisa de uma (puta) ideia. E muito provavelmente, você não vai ter uma boa ideia para seu roteiro lendo um texto sobre “como criar um ótimo roteiro publicitário“. Aliás, esse nem é um texto sobre “como ter ideias sensacionais“. Mas, se fosse, eu ia falar que minha técnica preferida é encher a cabeça de informação sobre o produto/mercado/empresa/whatever/ para quem for criar o roteiro e, depois, fazer outra coisa qualquer. Normalmente a ideia vem. Mas, como esse texto não é sobre isso, vamos voltar ao assunto. Tenha uma ideia sobre o roteiro. Pronto? Teve? Então, agora sim. Vamos continuar.

A formatação:

Como o Bruno Lacerda bem observou no seu blog, não existe um padrão rígido para o formato do roteiro. Mas é recomendável que você não mostre para o cliente um roteiro escrito num guardanapo de boteco. Os modelos mais utilizados são:

1) Básico, que eu eu gosto de chamar de “Duas Colunas” por motivos óbvios (exemplo);

2) Master Class, que é o padrão default do cinema, com cabeçalhos por cena (exemplo);

3) Dividido por sequências, que é recomendado para roteiros com muitas cenas (exemplo).

Que programa usar?

Na boa? Pra mim, o único editor de texto melhor que o Word é o bloco de notas. Mas talvez eu seja um cara muito chulo. Se você quiser, até existem uns softwares para desenvolvimento de roteiro. Mas, devo confessar, não uso e nem conheço muita gente que usa.

 

5 dicas para você escrever um bom roteiro

 

1) Alguns roteiros:

O roteirodecinema.com.br tem alguns exemplos de roteiros publicitários que valem a pena ser olhados por você que está em busca de inspiração para criar o seu: clique aqui.

2) Simplicidade:

Isso vale para todo texto que você escrever. Seja o mais simples possível. Esse é o único modo de fazer seu leitor te entender. E quando eu escrevo “leitor”, você pode ler “cliente/diretor de criação/pagador de salário”.

3) Não escreva demais. Nem de menos.

O ideal é que o roteiro não seja nem detalhista, nem abstrato demais. Então, ache um meio termo. Descreva tudo que você considerar importante para passar a ideia que você teve e coloque o que achar mais importante no roteiro.

4) Livro: Roteiro Publicitário – Como vender em 30 segundos

Confesso: Ainda não li esse livro. Sabe como é, tem uns 15 livros na minha fila de espera e mais uns três na cabeceira. E olha que, quem me conhece sabe: eu leio, no mínimo, consideravelmente, como já disse num desses posts. Mas, de qualquer forma, fica aí a dica para você que esteja realmente interessado no assunto.

5) Refaça. Sim, de novo.

Essa é uma dica constante e vale para todo texto, penso eu. Confira, revise, veja se a ideia é mesmo boa, inclua algo importante, tire algo desnecessário. Sempre dá pra melhorar, e isso serve pra tudo na sua vida.

 

Por hoje é só, pessoal.

Basicamente, é isso. Se você quiser ler algo mais detalhado, existem alguns cursos (que eu não fiz) sobre o assunto. Eu fiz um curso sobre roteiro no SENAC, e gostei. Se tiver alguma dúvida específica, pode falar comigo. Estando ao meu alcance, eu respondo numa boa.

:)

Leia também:

Redator publicitário ou jornalista, eis a questão.

Conhece o Consumidor Positivo?

Quem nunca teve dúvidas sobre qual profissão seguir que atire o primeiro diploma.

Acontece entre os engenheiros. Acontece entre os advogados. Acontece entre os médicos. E, claro, não deixaria de acontecer entre nós, meros redatores.

Vou descrever seu perfil. Vejamos se acerto em alguma coisa.

Você gosta de ler. Na infância, escrevia boas redações sobre suas férias. Na adolescência, escrevia poemas ruins. Você sempre foi considerado criativo e, provavelmente, tem aptidão para artes. Desenho, música, escultura, whatever.  Pelo menos uma dessas coisas você faz. Chega a hora de escolher a faculdade. Você, que já gosta de ler, pensa: “coisa boa ia ser trabalhar de redator, eu ia passar o dia inteiro escrevendo e as pessoas ainda me pagariam ”. Mas aí entra a dúvida: ser redator de publicidade ou de jornalismo? O que tem mais a ver com meu perfil? Que caminho seguir?

Tudo bem, gafanhoto. Essa dúvida é mais comum do que você pensa. No livro Toca dos Leões, a biografia do Washington Olivetto escrita pelo Fernando Morais (pra mim, o melhor autor de biografias do Brasil), Morais conta o caso de um jornalista com anos de atuação e já conceituado na área que não apenas continuava com essa dúvida como bateu na sala do W da W/Brasil pra pedir um estágio como redator. Obviamente, sendo prontamente atendido.

Há algum tempo, até esse humilde redator que vos escreve foi indagado por uma bem intencionada leitora sobre qual caminho deveria seguir. Além disso, nesse artigo, há um comentário de uma moça perguntando algo parecido. Ser redatora de publicidade ou redatora de jornalismo? Eu entendo, a dúvida é cruel.

A meu ver, a principal vantagem de ser redator de publicidade é ficar o dia todo no escritório – sem ir pra rua caçar pauta, reportagem, essas coisas. Enquanto a principal vantagem de ser redator de jornalismo é justamente não ficar o dia inteiro no escritório.

Seu maior defeito é sua maior virtude.”, já dizia um sábio que eu não lembro o nome.

Obviamente, só quem pode dizer qual profissão é melhor para você é você mesmo. Se você gosta do business, pense com carinho na publicidade. Se gosta de investigar, de caçar pauta, etc. , pense com amor no jornalismo.

A boa notícia (ou má, se você gosta de ver o copo meio vazio) é que a cada dia a distância entre um trabalho e outro diminui. A publicidade em geral, e a online em particular, tem caminhado para a produção do tão falado “conteúdo relevante”.  E isso é o trabalho diário dos nossos colegas jornalistas há tempos.

Não sou eu quem vai palpitar sobre que carreira você deve escolher, mas meu objetivo com esse texto é te lembrar de duas coisas:

a) Pode ser que hoje você escolha ser redator de publicidade e amanhã vire redator de jornalismo, ou vice-versa. As coisas estão cada vez mais parecidas.

b) Qualquer que seja sua escolha, às vezes, você vai achar que ela foi
a errada. E isso faz parte de ser humano.

Leia também:

Sobre Blogs Corporativos

blog-corporativo1Blogs Corporativos, você sabe, são blogs de empresas.

Eles são usados para os mais diversos fins. Mas no final o objetivo é sempre o mesmo: aumentar as vendas da empresa que paga o domínio do site e o salário do redator.

O artigo que eu escrevi semana passada para o Webinsider trata sobre blogs corporativos. Não exaltando a importância deles, como fiz num artigo escrito há pouco tempo, mas sim apontando o calcanhar de aquiles dos blogs corporativos: A falta de gente preparada para escrever o tão famoso “conteúdo relevante“.

Esse é um assunto que muito me interessa. Por isso, costumo ler todo conteúdo que encontro sobre o tema. E onde mais eu acharia bons textos sobre blogs se não exatamente em blogs?

Pois bem. Separei cinco textos que achei em blogs desse meu Brasil lindo e quero te incentivar veementemente a lê-los antes de propor ao seu superior a  ideia de ter um blog corporativo na sua empresa.

1 – Blogs corporativos dão resultado?

2 – 10 motivos para ter um blog corporativo.

3 – Sobre o que escrever no meu blog corporativo?

4 – Um livro sobre blogs corporativos

5 – O que faz um blog corporativo não ter sucesso?

Cabe ressaltar que minha intenção aqui, de maneira alguma, é jogar um balde de água fria em você que está pensando em criar um blog corporativo para sua empresa.

Muito pelo contrário, aliás.

Eu acredito em blogs corporativos. E não acredito por ter fé em qualquer bobagem. Acredito pois existem pesquisas sérias e idôneas que apontam seus resultados.

O meu intuito com esse post, além de propagar textos interessantes para quem está pensando em começar um blog coporativo, é levantar uma questão: quem vai criar conteúdo relevante para alimentar constantemente o blog de sua empresa?

Como eu disse no meu artigo do webinsider: Se você tem tempo e disposição para isso, ótimo! Você mesmo pode fazer. Mas caso contrário, a melhor opção acaba mesmo sendo contratar um redator (webwriter) que faça isso com prazer e qualidade para sua empresa.

E, nesse sentido, cometendo dois pecados capitais, 1) citar Latino 2) fazer propaganda: talvez eu seja a solução pros seus problemas.

Leia também:

Desistir é a melhor opção?

Quem desiste é perdedor”. Você já deve ter ouvido isso. Não com essas palavras, é provável. Mas um: “desistir jamais” na traseira dum caminhão, num livro de auto-ajuda ou na boca da sua tia menos legal. Eu não gosto de ser do contra, mas preciso dizer: Quem desiste não é perdedor coisíssima nenhuma.

Se quiser ler o artigo inteiro, fique à vontade.

__________

Eu escrevi esse artigo para o webinsider logo depois de ler o livro O Melhor Do Mundo, do Seth Godin.

Agora, estou lendo Marketing de Permissão, do mesmo autor.

Provavelmente, quando terminar esse novo livro faça um artigo com algumas considerações.

Por enquanto, só o que posso adiantar é que Seth Godin é genial e o livro, excelente.

Recomendo a todo profissional de marketing, publicitário ou empreendedor.

Seth Godin é um cara que merece ser lido.

Leia também: