adulterios(1)Antes de qualquer coisa, quero deixar claro que não sou o fá número 1 do Woody Allen. Nem o milionésimo, na verdade. Devo ter visto uns cinco filmes dele. O que é uma #putafaltadesacanagem, admito. Mas você sabe como é. Eu boto a culpa na falta de tempo e, como todo mundo usa a falta de tempo para se desculpar por alguma coisa, você entende. Mas voltemos ao assunto, que resenha não é bagunça.

Sabe aquela banca de jornal que fica dentro do shopping  e vende livros? Foi lá que encontrei, entre um livro do Paulo Coelho e outro, “Adultérios” do Woody Allen. Cheio de pó, coitadinho. Assim que o vi pude sentir ele me pedindo: “Tire-me daqui, amigo. Salve-me dessa seção de auto-ajuda”.  E, como quem atende um pedido desesperado, paguei 16 reais pelo livro de 208 páginas do escritor, diretor e – de vez em quando -, astro de mais de vinte filmes de sucesso: Woody Allen.

O livro conta três histórias. Só com diálogos. Mais ou menos como peças teatrais. Elas tratam sobre adultérios, têm arte envolvida e, claro, são hilárias. É o primeiro livro de Allen que leio. E ele é mesmo um ótimo escritor. Cada palavra é tratada com cuidado. Os personagens são tão malucos quanto seu criador. E cada história tem, pelo menos, três reviravoltas. O que é genial.

Enquanto redator, o livro é uma aula sobre a arte de escrever diálogos. Enquanto leitor, o livro é tão bom que quase acordei meu pai de tanto rir alto na madrugada - meu horário de leitura.

As duas primeiras histórias também tratam um pouco sobre o “bloqueio criativo” tão comum aos escritores. Mas prefiro parar de falar disso por aqui, para deixar você com vontade. A verdade é que recomendo muito esse livro para fãs e não-fãs que queiram se divertir com Woody Allen, esse cineasta que antes de tudo é escritor. E doido.

Leia também: