Joe Karbo, o redator milionário

Joe Karbo era um cara legal. Redator de publicidade e de livros de “não-ficção”, Joe ganhou a bagatela de 30 milhões de dólares em parte graças a seu livro “O jeito preguiçoso de ficar rico” e em parte graças ao anúncio genial que ele criou para vendê-lo – e que você vê mais abaixo.

O que diferencia Joe Karbo de qualquer outro redator publicitário que escreve literatura nas horas vagas, além da conta bancária, é que seu livro nunca foi visto em livrarias enquanto ele estava vivo. Joe vendia diretamente ao seu público, enviando-o pelos correios.

Sem ter que pagar editora, livrarias, agentes e etcéteras, Joe ficava com 95% do valor do título, ao invés dos costumeiros 10% ou 20% que um escritor comum fica.

E para anunciar esse livro, Joe criou o anúncio abaixo em 1975 e publicou-o em diversos jornais e revistas nos EUA. O anúncio fez tanto sucesso que continuou sendo publicado diariamente durante anos.

É verdade que Joe já tinha algum dinheiro. Mas indiscutivelmente foi o anúncio para seu livro que o tornou conhecido como uma das mentes mais brilhantes do marketing direto – além de torná-lo (ainda mais?) milionário. Foram mais de 4 milhões de títulos vendidos.

Depois de ler o anúncio, talvez você fique curioso para saber o que havia nesse tal livro. Basicamente, começa contando um pouco da história de vida do autor. Depois, passa para a filosofia de vida do otimismo e toda essa onde The Secret que você conhece. E termina com algumas dicas de vendas e idéias de negócios simples. Só isso.

O anúncio é um dos melhores textos publicitários já escritos. Já influenciou inúmeras campanhas e, sem sombra de dúvidas, milhares de redatores. É um convite à redação publicitária efetiva. E eu creio que todos os redatores deveriam lê-lo.

Se você escreve publicidade:

1 – Salve esse anúncio no seu computador e leia-o uma vez por semana.

2 – Imagine o que Joe faria se vivesse em tempos de internet.

3 – Sinta inveja (do bem).

_____________________

Eu costumava trabalhar duro, 18 horas por dia, 7 dias por semana. Mas eu não comecei a ganhar muito dinheiro até que trabalhasse menos — muito menos. Por exemplo, este anúncio levou cerca de 2 horas para ser escrito. Com um pouco de sorte, ele irá render pra mim 50, talvez, 100 mil dólares.

Que avanço. Eu vou pedir pra você me enviar 10 dólares por algo que não irá me custar mais que 50 centavos. E vou tentar tornar isso tão irresistível que você se sentirá um grande tolo se não fizer.

Darei a você bastante tempo para tê-lo, examiná-lo e experimentá-lo. Se você não concordar que vale pelo menos 100 vezes o que você investiu, devolva. O seu cheque ou dinheiro será devolvido.

A única razão pelo qual eu não envio pra você e depois o cobro ou envio à cobrar é porque ambos os métodos envolvem mais tempo e dinheiro. E eu estou prestes a oferecer a você a maior barganha da sua vida. Porque eu vou lhe dizer algo que demorei 11 anos para chegar à perfeição: Como ganhar dinheiro ao jeito do preguiçoso.

O.K. — Agora eu tenho que fazer um certo alarde. Eu não me importo. E é necessário provar que me enviando 10 dólares (que eu não irei usar até que você esteja satisfeito) será a coisa mais inteligente que você já fez até hoje.

Eu moro numa casa que vale $250.000, eu sei que custa isso porque eu recusei uma oferta pela minha casa nesse valor. Meu escritório fica a cerca de 2,5km da minha casa, é bem na praia. Minha vista é tão incrível que a maioria das pessoas comentam que não sabem como eu consigo terminar algum trabalho ali. Mas eu faço o suficiente. Mais ou menos 6 horas por dia, 8 ou 9 meses por ano.

O resto do tempo eu gasto na nossa cabana nas montenhas que eu comprei por $30.000 em dinheiro. Eu tenho 2 barcos e um Cadillac. Todos comprados com o meu dinheiro.

Nós temos imóveis alugados, ações, investimentos e dinheiro na conta. Mas a coisa mais importante que eu tenho não tem preço: tempo com a família.

Eu vou lhe mostrar exatamente como eu fiz — o jeito preguiçoso –, um segredo que eu compartilhei apenas com alguns amigos até hoje.
Isto não requer “escolaridade”; eu tenho apenas o ensino médio.

Isto não requer “capital”; quando eu começei, eu estava tão endividado que um amigo advogado me disse que decretar falência [nos EUA, os cidadãos podem pedir falência] era a única opção que eu tinha. Ele estava errado. Nós pagamos nossas dívidas e a hipoteca e desde então não devemos mais nenhum centavo pra ninguém.

Isto não requer “sorte”; eu tive mais do que qualquer um, portanto eu não estou prometendo que você terá tanto dinheiro quanto eu. Você pode fazer melhor; eu pessoalmente conheço um homem que usou estes princípios, trabalhou duro e fez 11 milhões de dólares em 8 anos. Mas dinheiro não é tudo.

Isto não requer “talento”; apenas cabeça o suficiente pra saber o que procurar e eu irei lhe dizer o quê.

Isto não requer “jovialidade”; uma ex-colega de trabalho com mais de 70 anos viajou o mundo todo ganhando dinheiro fazendo só o que eu lhe ensinei.

Isto não requer “experiência”; uma viúva em Chicago tem ganhado uma média de $25.000 por ano nos últimos 5 anos utilizando meus métodos.

O que isto requer? Crença. O suficiente para tentar. O suficiente para absorver o que eu lhe enviarei. O suficiente para colocar os princípios em ação. Se você fizer apenas isto — nada mais, nada menos — os resultados serão dificeis de acreditar. Lembre-se, eu garanto.

Você não tem que sair do seu emprego. Mas você fará em breve, uma vez que o dinheiro que você vai ganhar, te permitirá isso. Mais uma vez, eu garanto.

O homem mais sábio que eu já conheci me falou algo que eu jamais esqueci: “a maioria das pessoas está muito ocupada ganhando a vida pra fazer algum dinheiro.”

Não demore o tempo que eu demorei pra descobrir que ele estava certo.

Eu vou provar pra você, se você me enviar este cupom. Eu não estou pedindo pra você “acreditar” em mim. Apenas tente. Se eu estiver errado, tudo que você irá perder são alguns minutos e um selo de carta. Mas e se eu estiver certo?

Leia também:

O manual de notebook mais legal do mundo

Eu poderia falar o motivo de não estar postando muito ultimamente. Aquela costumeira falta de tempo, misturada com a procrastinação nossa de cada dia e mais algumas desculpas não necessariamente esfarrapadas. Mas eu sei que isso não te interessa muito.

Sendo assim, vamos ao que importa: nesse novo ano que surge [blá blá blá] vou tentar postar mais aqui no blog, principalmente, sobre redação publicitária. Também pode ser que amanhã ou depois eu volte a publicar crônicas, poesias, reflexões ou o que quer que seja. Mas, pelo menos por ora, vamos falar de textos em geral e dos publicitários em particular.

Espero que você não pare de ler o blog só por causa disso.

O texto de hoje é o do manual de instrução do novo notebook do Google. Se você não sabia que o Google agora está comercializando notebooks, não tem problema: agora sabe. O texto é um daqueles jobs que você morre de vontade de fazer, mas não faz por saber que, via de regra (toda regra tem exceções, já dizia o clichê), o cliente não aprova.

O manual é o da imagem abaixo, mas se você tiver com preguiça de ler numa língua que você não aprende na sala de casa, vendo castelo rátimbum, mais abaixo tem um pedaço do texto traduzido.

manual

NÃO ENTRE EM PÂNICO!

Leia esse papel. E então recicle. Ou faça dele um avião de papel super legal e dê para o seu sobrinho.

INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

(O Blablablá de sempre… apenas mais divertido)

Esse produto contém componentes sensíveis. Não deixe cair, desmonte, abra, esmague, dobre, asse, deforme, perfure, coloque no blendtec (acho que nunca saberemos se ele conseguirá desmanchar), esfrangalhe, incinere, pinte, leve até a lua, ou insira objetos estranhos no dispositivo. Não derrame liquidos, pedras de qualquer tamanho ou comida no dispositivo. Não exponha o dispositivo à água, umidade ou rap.

Esse produto contém partes pequenas, que podem representar risco de asfixia para crianças pequenas, ou homens que não sejam emocionalmente maduros. Mantenha o dispositivo e os acessórios longe de crianças pequenas, independente do quanto elas queiram esmurrar o teclado. (…)

Coisa linda, né? Vi aqui.

Leia também: